Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Minha experiência de três debates com a comunidade é a de que ela tem gente em quantidade e qualidade suficiente para se contrapor a uma voz homofóbica e autoritária.

Jair Bolsonaro é uma das figuras mais lamentáveis de um Congresso que não chega a ser exemplar.

Clovis Rossi




Ainda assim, é um erro —e erro grave— A Hebraica, o clube que reúne a comunidade judaica, tê-lo "desconvidado" de uma palestra, depois da reação de uma parcela da comunidade.

Minha opinião sempre foi a de que não se deve ter medo da palavra. O que, sim, se deve temer é a possibilidade de que essa palavra, sempre que deletéria como me parece ser a de Bolsonaro, ganhe adesões em massa.

Mas o remédio, se é que há remédio para isso, não é silenciar quem quer que seja. É contrapor a um ideário do qual se discorda um conjunto de ideias capazes de seduzir um número maior de pessoas.

Alguém acha que Donald Trump teria sido derrotado se tivesse sido proibido de fazer comícios, participar de debates, dar entrevistas ou tudo o que caracteriza uma campanha eleitoral?

A prova em contrário é o fato de que seus partidários continuam fidelíssimos mesmo depois de formidável barragem de críticas (e fatos negativos) disparada pela maioria dos meios de comunicação.

E continua fiel porque Trump falou —e continua falando— às emoções dessa gente, com mentiras ou com "fatos alternativos", um novo rótulo para a velha mentira, e com algumas verdades.

Bolsonaro também está preenchendo um espaço deixado vazio pela desmoralização de uma fatia substancial do mundo político. É clássico: no vazio político, sobe sempre a tentação autoritária, de que o deputado é uma encarnação desabrida.

No mundo inteiro, está havendo um fenômeno similar: o descrédito dos políticos convencionais é combustível para a ascensão dos Trump da vida e de outros representantes do autoritarismo.

A vantagem da Europa sobre o Brasil é que são raros os casos em que a extrema direita chega de fato ao poder. Ameaça e ameaça nas pesquisas prévias, mas, na hora da decisão, prevalece o sentido comum. Direita civilizada e esquerda idem se unem e afastam o perigo.

É razoável supor que o tremendo estrago causado pelo extremismo no século passado tenha criado um contraveneno de longa duração.

No Brasil, até agora, os nostálgicos do regime militar nem sequer haviam conseguido ter uma representação eleitoral. Só agora, 32 anos depois do fim da ditadura, é que aparece um Bolsonaro com uma assustadora intenção de votos nas pesquisas.

Não será, no entanto, silenciando-o que se inoculará um antídoto. O caso da comunidade judaica é eloquente: nem o fato de um judeu (Vladimir Herzog) ter sido símbolo da violência ditatorial, além de outros muitos membros desse mesmo grupo, impediu que uma fatia importante (mil pessoas) pedisse a presença de Bolsonaro em A Hebraica.

É verdade que quase três vezes mais (2.700 exatamente) se opuseram, mas era preferível que esse pessoal tivesse comparecido à palestra cancelada e desafiado o deputado ao vivo.

Minha experiência de três debates com a comunidade é a de que ela tem gente em quantidade e qualidade suficiente para se contrapor a uma voz homofóbica e autoritária.


Nenhum comentário:

Postar um comentário