Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Os alemães estavam certos: quem manda é Meirelles

Os alemães estavam certos: quem manda é Meirelles

Ygor Salles 



A princípio, pareceu um erro crasso o material distribuído para a imprensa na reunião de cúpula do G20 na Alemanha, no final da última semana, ter estampado Henrique Meirelles como o representante brasileiro no lugar de Michel Temer. O ministro da Fazenda lideraria a comitiva porque o presidente planejou ficar no Brasil para tentar segurar a crise política.

Porém, ele mudou de ideia na última hora -tão na última hora que não deu tempo de fazer correções no material. Mas, em uma análise um pouco mais apurada, até que os alemães não estavam de todo errados.

De um jeito torto, estava ali indicado quem deve se manter como peça central do governo, tanto faz se Temer conseguirá ou não se manter no Planalto.

Alguns dos principais agentes econômicos já tiraram a cabeça para fora da água para dizer que o sucesso das reformas econômicas não está mais atrelado à permanência do peemedebista, como ocorria até as gravações de Joesley Batista ganharem o país e terem mais audições que as músicas de Wesley Safadão (o cantor, não o irmão dele).

O caldo entornou de vez com as cada vez mais próximas delações do operador Lúcio Funaro e, consequentemente, do ex-deputado Eduardo Cunha verdadeiro bambuzal para que Rodrigo Janot continue a produzir e atirar flechas contra Temer.

Na sexta-feira (7), por exemplo, o economista-chefe do banco Santander, Maurício Molon, disse que a troca do governo poderia até ser positiva se ajudasse a manter a articulação no Congresso em torno das mudanças na CLT e nas aposentadorias, que andam travadas porque Temer gasta mais energia se defendendo que em fazê-las andar.

Trocado em miúdos: o importante é a aprovação das reformas, tanto faz quem liderará o processo. Caso assuma Rodrigo Maia, que de aliado de última hora do peemedebista se transformou no nome da vez para substituí-lo, a permanência de Meirelles é quase certa.

Ele sabe que precisa do ministro porque ele personifica os interesses dos agentes econômicos no governo. No geral, ambos dançam no mesmo ritmo, mesmo que às vezes não falem a mesma língua -como, por exemplo, quando criticou a reoneração da folha de pagamento de alguns setores da economia, medida que ajudaria na arrecadação deste ano.

Sabedor da importância que tem neste xadrez, o ministro mantém a pose de quem está bem firme no cargo e até negocia maior autonomia na área econômica para ficar na eventual gestão Maia.

Seja como for, Meirelles deve ter feito a viagem de volta da Alemanha mais tranquilo que o atual chefe, que em sua poltrona no avião presidencial respirava fundo antes de encarar (mais) uma semana decisiva para seu futuro político. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário