Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

O PSDB no momento apenas discute como se apresentar na eleição de 2018, como zelador da cripta dos zumbis deste governo ou não, e como conduzir um enterro discreto de Aécio Neves.

PSDB, Aécio, presidentes e presidiários

Vinicius Torres Freire

BRASILIA, DF, BRASIL, 12-06-2017, 17h00: Reunião da executiva da PSDB para definir sobre o desembarque ou não do governo Temer. O partido está rachado e não deve ter nenhuma definição sobre o assunto na reunião de hoje. Na mesa principal o presidente em exercício do partido senador Tasso Jereissati, os governadores de SP, Geraldo Alckmin, do PA Simão Jatene, do PR Beto Richa, de GO Marconi Perillo, o prefeito de Manaus Arthur Virgílio, de São Paulo João Dória e os ministros Bruno Araújo (Cidades), Luislinda Valois (Direitos Humanos), Aloysio Nunes Ferreira (MRE) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), alem do senador e ex ministro José Serra. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)


SOZINHO, O PSDB não tem peso para salvar a reforma da Previdência, a mais importante da coalizão liberal. Não tem como derrubar o governo, mesmo na hipótese remota em que decida fazê-lo. Sozinho o PSDB ficou, note-se o fracasso na articulação para substituir Michel Temer. Além de sozinho, está para variar sobre um muro rachado, dividido.

Os escassos votos restantes pela reforma, como outros votos, cargos e tanto mais, serão negociados no balcão da sobrevivência de Temer. Ao que se dá apoio, então?

O PSDB no momento apenas discute como se apresentar na eleição de 2018, como zelador da cripta dos zumbis deste governo ou não, e como conduzir um enterro discreto de Aécio Neves. Não se trata de questões menores, pois o partido é considerado pelos donos do dinheiro como a esperança de governo reformista em 2019.

A conversa do pessoal da finança mudou desde a crise do grampo de Temer. Os efeitos da morte da reforma da Previdência no "mercado" teriam sido exagerados. O "foco" agora é 2018.

A acreditar nessa história, o tumulto financeiro (juros longos e dólar em alta) teria sido adiado para quando houver risco de derrota eleitoral do programa reformista.

Até lá, espera-se que o governo, qualquer governo, mantenha uma equipe econômica que cozinhe o arroz com feijão macroeconômico e aprove remendos para tapar os buracos que a falta de reformas várias deve deixar.

O PSDB não sabe como ou quando abandonar Temer. Bidu. Até com Dilma Rousseff se enrolou. Em agosto de 2015, FHC ainda pedia um "gesto de grandeza", a renúncia; parte do partido ainda pensava em deixar Dilma "sangrar". Não era o caso de Aécio, do líder na Câmara, Carlos Sampaio, e dos "cabeças pretas".

Aécio e Sampaio, ao lado de Paulinho da Força (SD) e de Eduardo Cunha, faziam arruaça, votavam a "pauta-bomba". Com alegre espírito de porco, rasgavam o programa tucano. Votaram pela derrubada do fator previdenciário e a favor de outras depredações das contas públicas, além de ajudarem a destroçar o ajuste de Joaquim Levy (com ajuda do PT).

O partido pode baixar mais, à cova moral do governo Temer. Já vai descendo com Aécio.

O ainda presidente do PSDB confessou a molecagem de começar um processo para impugnar a eleição "para encher o saco" do PT, entre outras gracinhas udenistas golpistas, de resto cínicas, pois sua campanha é acusada dos mesmos rolos imputados à chapa Dilma-Temer.

Pediu dinheiro a Joesley Batista "porque não tem mais, não tem ninguém que ajuda", confissão implícita de outros rolos, na qual não se prestou muita atenção. Ainda é articulador-mor do acordão para livrar a si e colegas da Lava jato.

Caciques do PSDB tentam dar um jeito em Aécio, sem escândalos e risco de revanche.

Quanto a Temer, não sabem se enfiam as mãos e os braços na lama, esperando sustentar o que sobrou do programa reformista e, talvez, alguma melhorazinha econômica em 2018, correndo o risco de fracasso total, de irem às urnas como cúmplices da ruína econômica e moral do governo.
Assim, pode ser que não sobreviva nem mesmo João Doria, o outsider do partido, contradição em termos e grande última esperança da coalizão dos azuis, da direita, dos liberais e do mercado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário