Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

sábado, 15 de abril de 2017

detalhes tão suplicantes...

CUT se organiza para lançar bancada de sindicalistas ao Congresso em 2018 e preocupa PT

Painel da Folha


Nossa vez 

Num movimento que despertou preocupação na cúpula do PT no Congresso, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) se organiza para lançar uma série de sindicalistas na eleição de 2018. O próprio presidente da central, Vagner Freitas, deve concorrer a uma cadeira na Câmara. Embora o ex-presidente Lula estimule a ofensiva, deputados e senadores petistas avaliam que a entrada da entidade na corrida divide seu eleitorado e dificulta a reeleição de nomes tradicionais da sigla.

Alfinetada 

Os sindicalistas dizem que o Congresso precisa de parlamentares “mais bem preparados” para “o embate em defesa dos direitos dos trabalhadores”. O presidente da CUT em Pernambuco, Carlos Veras já é tratado como candidato.

Regra de três 

Nos debates em que incentiva as candidaturas, Freitas lembra que a Câmara eleita em 2014 é formada, majoritariamente, por empresários e ruralistas. Juntos, eles são mais de 300 deputados, diz — 59% da Casa.

Não troque o certo 

Com o desgaste da imagem do PT, a bancada de senadores da sigla optou por um caminho pragmático. Todos, à princípio, construirão bases para candidatura à Câmara. Quem sentir que há clima para a reeleição, muda de rumo e parte para a disputa majoritária.

Frio e calculado

Políticos citados na lista de Edson Fachin reclamam do timing adotado pelo Supremo para repassar os dados à imprensa: às vésperas do feriado de Páscoa. Por isso, lamentam, ninguém teve acesso oficial às acusações da Odebrecht.

Seriado 

Na tentativa de conhecer a delação, deputados, senadores e ministros passaram os últimos dias prostrados diante de computadores e TVs buscando vídeos que fizessem referência a eles. A maratona foi apelidada de “Netflix da Odebrecht”.

Legado 

Edson Fachin se mudou para o gabinete do antigo relator da Lava Jato no STF, Teori Zavascki. Há mais espaço e estrutura para os trabalhos, dizem auxiliares.

Grão de areia

O monitoramento que o Palácio do Planalto faz nas redes sociais mostrou que, até esta quinta (13), o desgaste do governo e de Michel Temer com a publicação dos relatos da Odebrecht ficou diluído em meio às menções negativas a diversos políticos e partidos.

Cada um por si 

Fortemente atingidos pela delação da Odebrecht, os três figurões do PSDB, Aécio Neves (MG), Geraldo Alckmin (SP) e José Serra (SP) adotaram estratégias distintas para reagir ao turbilhão de acusações.

Barata voa 

Aliados de Aécio disseminam vídeos em que delatores negam que o tucano tenha cometido corrupção, por exemplo, para mitigar danos. Serra, por sua vez, dá aos jornais declarações protocolares. Sua defesa concentra arsenal para apresentar diretamente à Justiça.

Em silêncio 

Alckmin se recolheu. Evento que estava programado há meses para ocorrer na terça (18) e que tinha a participação do governador como principal atração foi desmarcado. A confirmação do cancelamento veio após a explosão das delações.

Edição é tudo 

A publicação de trechos dos vídeos dos próprios delatores como atestado de idoneidade nas redes sociais também foi a estratégia adotada pelo ministro Bruno Araújo (Cidades).

Escola Renan 

Em meio ao embate com o secretário municipal de Educação, Alexandre Schneider, o vereador Fernando Holiday (DEM) acompanhou a oposição e, na terça-feira (11), votou contra o projeto de João Doria para instituir a SP Parceiras.

Bom aluno 

Holiday disse ser contra a criação de uma nova estrutura no governo para tocar o pacote de privatizações da Prefeitura, mesmo que a empresa tenha prazo de vida pré-definido pela administração municipal.

TIROTEIO

A convicção e a autoridade com que Ricardo Barros fala repetidas bobagens em relação à saúde é realmente impressionante.

DO DEPUTADO CHICO D’ANGELO (PT-RJ), sobre o ministro da Saúde, que disse, nesta semana, que exames com resultado normal são ‘desperdício’ para o SUS.

CONTRAPONTO

Por que não eu?

No evento do PHS que homenageou os governadores tucanos Geraldo Alckmin (SP) e Marconi Perillo (GO), o presidente da sigla nanica, Eduardo Machado, disse, em tom de brincadeira que, se o paulista fosse disputar a Presidência em 2018, o goiano teria que mudar de partido para se viabilizar como vice.

— Esse negócio de chapa puro-sangue não está com nada, governador. Perillo pode se filiar ao PHS — disse.

Alckmin fez questão de responder a brincadeira de Machado quando subiu no palanque:

— Presidente, o convite do PHS pode ser estendido a mim também?

Nenhum comentário:

Postar um comentário