Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Chega de tentar dissimular e disfarçar e esconder O que não dá mais pra ocultar.

Ulysses não esperava 1 Congresso melhor, pois o próximo poderia ser pior

Senado e Câmara têm escassez de cérebros e de projetos
Esperança de melhora é pequena no horizonte político
O então presidente da Assembleia Nacional Constituinte, Ulysses GuimarãesArquivo/Agência Brasil - 1998
Corria o ano de 1991, em seu primeiro semestre, e eu mal acabara de chegar a Brasília.
No Palácio do Planalto um governo comandado por Fernando Collor havia tido seu auge, começara a exibir flancos por onde a oposição descobria espaços de ação, mas estava longe de sentirmo-nos autorizados a prever o destino que teria.
No Supremo Tribunal Federal não se admitia que ministros clamassem para que os colegas ouvissem o senso comum antes de julgar –cria-se que julgamentos ocorriam para tentar produzir Justiça e aplicar a lei com bom senso.
No Congresso cruzávamos no dia a dia com nomes como Ulysses Guimarães, Mário Covas, Fernando Lyra, Luís Eduardo Magalhães, Ricardo Fiúza, Maurício Correa, Roberto Campos, Miguel Arraes, Paes de Andrade, para citar os que já se foram. E com biografias parlamentares até ali indiscutivelmente exemplares como as de José Genoíno e José Dirceu, por exemplo, e ainda Ibsen Pinheiro, Pedro Simon, Nelson Jobim, Roberto Magalhães, Delfim Netto, Marco Maciel, Fernando Henrique Cardoso, José Serra, Geraldo Alckmin, Sigmaringa Seixas e a dupla Miro Teixeira & Roberto Freire (menos ranzinzas do que esses personagens aziagos de hoje).
O horizonte era turvo. Voltávamos a entrar numa espiral inflacionária, a gestão do homem que se vendera como “Caçador de Marajás” vivia um fogo cruzado de denúncias de corrupção e o Brasil começava a testar a força democrática da recém-promulgada Constituição de 1988. O Parlamento, base do funcionamento de qualquer sistema democrático, era constantemente instado a apresentar propostas que corrigissem os rumos do país. E elas existiam. E os parlamentares, deputados e senadores, não só tinham ideias como brigavam por elas com destemor e desprendimento. Os salões verde e azul da Câmara e do Senado vibravam com uma energia especial, republicana.
Certo dia, há quase 26 anos, mesmo ante um Congresso povoado por gente como Covas, Lyra, Luís Eduardo, Fiúza, Maurício, Campos, Arraes, Paes, Genoíno, Dirceu, Ibsen, Simon, Jobim, Magalhães, Delfim, Maciel, Fernando Henrique, Serra, Alckmin, Sigmaringa, Miro e Freire, o velho Ulysses refugou ao ouvir de mim uma pergunta sobre a capacidade daquele Parlamento produzir mudanças significativas nos costumes políticos a fim de corrigir erros do governo.
— Está achando ruim essa composição do Congresso? Então espera a próxima: será pior. E pior, e pior… – respondeu o homem que empenhara a vida pela reconstrução democrática e pela devolução do Estado de Direito à sociedade brasileira. Ainda completou:
— Temos algumas poucas cabeças boas aqui. É necessário juntá-las, onde quer que estejam, e fazê-las trabalhar num rumo só: para a frente. Sempre.
Sábio, Ulysses Guimarães já antevia naquele momento a crise de qualidade representativa que hoje nos assola e trava o Brasil. A escassez de projetos de Nação a serem debatidos dentro da Câmara dos Deputados e do Senado Federal é tamanha que na quarta e na quinta-feira próximas, quando as duas Casas do Legislativo se reunirem para eleger suas Mesas Diretoras, debater-se-á nelas em torno de quem empenhará mais esforços para aprovar reformas agudas na Previdência Social e na Legislação Trabalhista com o menor número de intervenções dos legisladores ante as vontades expressas pelo Executivo.
Emparedado por um rol de investigações e de denúncias que parecem saídas de um tribunal medieval de inquisição, o Parlamento está acabrunhado e fragilizado. Carece de luzes capazes de iluminar a sociedade depois de serem acendidas lá dentro dos plenários, das comissões temáticas.
É duro e triste constatar que, além de se revelar profético, Ulysses nos obrigou a crer ser impensável esperar a próxima composição do Congresso: a tendência é que ela seja ainda pior do que essa, se isso for possível. Logo, a hora de virar a mesa é agora. Ou a pressão social reescreve os rumos da ação legislativa, ou todos terminaremos cúmplices perante a História dos tempos duros de desordem e de retrocesso que podem nos tragar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário