Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

"Matar no peito"

Clichês em voga 

Ruy Castro 

SÃO PAULO, SP, 13.02.2017: JOESLEY-BATISTA - Joesley Batista, dono da JBS, concede entrevista a Folha na sede da empresa em São Paulo. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)///(170711) -- BRASILIA, julio 11, 2017 (Xinhua) -- Imagen cedida por la Presidencia de Brasil, del presidente brasileño, Michel Temer, asistiendo a una conferencia de prensa en Brasilia, Brasil, el 11 de julio de 2017. El presidente de Brasil, Michel Temer, celebró el martes la aprobación en el Senado de la polémica reforma de la ley laboral impulsada por su Gobierno, tras una sesión marcada por las protestas de la oposición que llevaron al presidente de la Cámara Alta, Eunicio Oliveira, a cortar las luces del plenario. La reforma propuesta por el gobierno Temer permitiria que prevalezcan acuerdos entre empresas y empleados por encima de la legislación vigente, el trabajo intermitente, el fraccionamiento de las vacaciones, y otras modificaciones. (Xinhua/Alan Santos/Presidencia de Brasil) (ma) (ce)

Quantas vezes você não ouviu ultimamente a expressão "matar no peito"? Dezenas —e nenhuma referente ao jogador que esvazia o peito ao receber a bola, amortece o seu impacto e a deixa escorrer até o pé. No tempo de Domingos da Guia, esse lance era do outro mundo, mas ficou tão corriqueiro que os locutores há muito nem perdem tempo em descrevê-lo. "Matar no peito", hoje, é uma arte do Congresso —de certos políticos peritos em fazer com que uma grave denúncia caia no vazio ou um escândalo desapareça do radar.

Falando em Congresso, dizia-se até há pouco que o presidente Michel Temer estava "nadando de braçada" entre seus ex-pares. Significava que, com sua habilidade para "costurar acordos", ele chegaria ao outro lado da piscina —2018— e emergiria como um estadista. Mas, depois de desnudar-se obscenamente na fita gravada por Joesley Batista, Temer terá de aprender também a nadar costas, peito e borboleta se não quiser se afogar. Só que, pelo visto, prefere comprar votos para ficar à tona, mesmo que isto o obrigue a desmatar, saquear ou taxar o país.

E o que dizer da "zona de conforto"? Ao contrário das antigas zonas boêmia e do agrião, muito mais excitantes, significa um espaço em que uma pessoa se move sem ser ameaçada. Mas, se tal zona existe no Brasil, não há muitos políticos nas proximidades dela. Em sua maioria, eles estão em alguma lista da Lava Jato, da Procuradoria ou da Polícia Federal, o que lhes garante todos os desconfortos que merecem, mesmo que, no fim, não resulte em nada.

"Matar no peito", "nadar de braçada" e "estar na zona de conforto" são apenas alguns dos clichês em voga no momento. No ano passado, era o "ponto fora da curva". E, antes ainda, "apostar todas as fichas".

Em breve, ninguém apostará uma mísera ficha em nenhum deles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário