Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

domingo, 9 de julho de 2017

Ao expor a sua biografia, Lázaro Ramos propõe uma reflexão importante e, eventualmente, incômoda sobre racismo e a luta pela afirmação da identidade negra.

Em livro, Lázaro Ramos combate a ideia de que não há racismo no Brasil

Mauricio Stycer Vê TV





À primeira vista pode parecer precoce um ator de 38 anos escrever um livro com reminiscências da infância e um balanço de sua experiência profissional. Mas reside justamente aí a força e o impacto do recém-lançado "Na Minha Pele" (Objetiva, 148 págs., R$ 34,90).

Ao expor a sua biografia, Lázaro Ramos propõe uma reflexão importante e, eventualmente, incômoda sobre racismo e a luta pela afirmação da identidade negra. "Existe todo um discurso de que não há racismo no Brasil.

Afinal, nós fazemos parte de um povo pra lá de miscigenado. Mas quem é negro como eu sabe que a cor é motivo de discriminação diária, sim", escreve.

Como ele mesmo lembra, nenhum outro profissional com visibilidade na mídia está tão bem situado para refletir sobre este assunto. "Sou o ator negro com mais protagonistas da história da TV brasileira: juntando televisão, cinema e teatro, já são mais de 40".

Sua iniciação profissional se deu aos 16 anos, em Salvador, nos palcos do Bando de Teatro Olodum -uma companhia fundada em 1990 e ainda em atividade, cujo foco principal sempre foi combater o racismo. Ali aprendeu:

"Eu não devia chamar meus ancestrais de escravos, e sim de africanos escravizados".

Lázaro diz que uma das motivações para escrever o livro foi refletir sobre "os desafios de ascender socialmente e se inserir em outra realidade sendo uma exceção". Ao mesmo tempo, sabe que há uma armadilha aí:

"Quando nos prendemos muito a esse elogio da história pessoal ('ela veio da favela e conseguiu'), corremos o risco de dizer que o outro não conseguiu porque não quis, e isso não é verdade. A exceção simplesmente confirma a regra", escreve.

Por outro lado, lembra que o objetivo de sua militância é inclusivo: "O orgulho de minhas origens não se sobrepôs a um grande ensinamento que recebi em casa: o de não estimular a separação".

A parte mais interessante de "Na Minha Pele" é ver como, ao adquirir consciência do peso da mídia e, em especial, da televisão, Lázaro foi construindo uma carreira singular.

"Entre 1994 e 2014, apenas 4% das protagonistas das novelas da Rede Globo foram interpretadas por mulheres não brancas", escreve, citando um estudo. E explica por que nunca aceitou fazer novela de época: "Não quero, porque pelo modelo das novelas de época daqui eu vou ser escravo".

E acrescenta: "Eu não estava (e ainda não estou) a fim de usar calça de algodão cru e ser chicoteado para depois ser salvo por uma mulher branca -a heroína salvadora, que em suas anáguas guarda o heroísmo de X-Men mesmo sem ser mutante e deixa claro que a branquitude é o padrão a ser seguido".

Não à toa, abriu exceção em "Lado a Lado" (2012), uma das melhores novelas da Globo nesta década, que mostrou as transformações do Rio, entre 1904 e 1910, sob o olhar do seu personagem, um capoeirista. Considerado um fracasso de audiência, a trama de Claudia Lage e João Ximenes Braga venceu o Emmy Internacional, superando "Avenida Brasil".

Lázaro conta, também, que já recusou inúmeros papéis por ter que usar arma de fogo. "Recusei porque a imagem que ficaria era a de um negro com uma arma na mão... E isso num contexto de normalidade." E observa:

"Falar das motivações dos 'não' talvez traga alguma reflexão sobre como o personagem negro tem sido tratado pela dramaturgia brasileira".

Destaco, por fim, mais uma observação importante do ator: "Não quero fazer patrulha nem fiscalização do politicamente correto, mas trazer uma reflexão sobre como nós, um país extremamente diverso, ainda somos tão atrasados em nossa percepção sobre nós mesmos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário