Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Fica difícil identificar o que há de mais contraditório nessas declarações.

Presidente da Fiesp faz defesa interessada de Temer 

Laura Carvalho 


BRASILIA, DF, BRASIL, 08-06-2016, 11h00: O presidente interino Michel Temer, acompanhado dos ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Eliseu Padilha (Casa Civil), Marcos Pereira (Indústria, Comércio exterior e serviços) e Moreira Franco (Secretaria de investimentos), e do presidente da FIESP, Paulo Skaf, durante encontro com empresários no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress, PODER)


O presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, declarou na segunda-feira (26) que "não cabe à Fiesp falar sobre renúncia de presidente da República, mas defender a retomada do crescimento do país e soluções para os 15 milhões de pessoas que estão sem emprego".

"Cabe à Fiesp discutir economia, não política", explicou.

Quando indagado sobre por que, então, a Fiesp declarou apoio formal ao impeachment de Dilma Rousseff em 2016, Skaf atribuiu a mudança de posição da federação à suposta melhora no cenário econômico: enquanto Dilma teria jogado o país na recessão, Temer teria controlado a inflação, reduzido juros e estaria aprovando as reformas estruturais.

"Não há como comparar uma situação com a outra", justificou.

Fica difícil identificar o que há de mais contraditório nessas declarações. Mesmo se fosse verdadeira a assertiva de que a situação econômica do país melhorou significativamente após a entrada de Temer, Skaf essencialmente reconheceu que eventuais crimes cometidos por um ou por outro pouco importam.

Seria legítimo derrubar um presidente apenas porque a economia vai mal ou manter no poder um presidente criminoso apenas porque a economia vai bem.

Não é, portanto, a política que passa longe das preocupações da Fiesp, e sim a democracia e as leis do país.

Mas as contradições não param por aí. Ao contrário do que tentou defender Skaf, a economia não vai nada bem. A inflação mais baixa também é fruto do desemprego em alta e da pior recessão de nossa história, que ainda não chegou ao fim. E o que é pior: a Fiesp é em boa parte responsável por isso.

Implementada desde o primeiro governo Dilma Rousseff, a política de desonerações fiscais já custou mais de R$ 500 bilhões aos cofres públicos e tomou o lugar no Orçamento de itens com capacidade muito maior de estímulo à geração de empregos, como os investimentos públicos em infraestrutura física e social.

O congelamento das tarifas de energia elétrica também custou caro, não apenas às distribuidoras de energia mas também ao país: quando reajustadas em 2015, contribuíram para a aceleração da inflação no ano e, assim, para o adiamento da queda de juros em meio à crise.

O ajuste fiscal pela via do corte de gastos e investimentos, por sua vez, contribuiu para aprofundar a recessão, elevar o desemprego e deprimir salários, o que acabou prejudicando as vendas e os lucros do próprio setor industrial.

A coluna do diretor-presidente da CSN e vice-presidente da Fiesp Benjamin Steinbruch, publicada nesta Folha na terça (27), deixou claro que até mesmo altos representantes do empresariado industrial já perceberam o volume de erros cometidos.

Mas não é essa a visão institucional da Fiesp, para quem o apoio a quase todas as políticas equivocadas que marcaram os últimos seis anos não bastou.

Após o segundo ano consecutivo de recessão e queda da arrecadação, o anúncio pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de que poderia ser necessário algum aumento de impostos para o cumprimento da meta fiscal de 2017 levou a Fiesp a lançar nova campanha publicitária nos jornais, deixando claro que não está mesmo disposta a pagar o pato.
Ainda assim, é possível que as mais recentes declarações de Skaf não tenham traduzido o pensamento de boa parte dos setores da indústria representados na federação.

Afinal, suas preocupações mais urgentes parecem não ser nem de natureza política nem econômica: o presidente da Fiesp foi ele mesmo citado na delação de Marcelo Odebrecht e acusado de receber uma quantia de R$ 10 milhões via caixa dois para sua campanha eleitoral de 2014. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário