Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

quarta-feira, 7 de junho de 2017

detalhes de um beco sem saída

Ofensiva sobre homens de Temer fortalece no Congresso o discurso de que há ‘caça à política’

POR PAINEL

Cadeira elétrica 

A ofensiva do Judiciário sobre nomes próximos a Michel Temer fortaleceu discurso de seus aliados no Congresso de que há uma caçada à política. Esse grupo diz que é improvável que, caso o presidente caia, um par escolhido em eleição indireta consiga se manter no cargo em cenário tão radicalizado. Lembram que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), favorito em eventual disputa, é alvo de três inquéritos e questionam em quanto tempo ele se tornaria foco de uma denúncia.

Beco sem saída 

As dúvidas sobre a viabilidade de um nome eleito indiretamente ajudam Temer, mas não solucionam seu problema. Deputados e senadores admitem que, ainda que a Câmara barre denúncia da PGR contra o presidente, há expectativa de novas delações que poderiam comprometê-lo.

Fez fila 

Ninguém aposta que Rodrigo Rocha Loures, preso no sábado (3), resista muito tempo em silêncio. Além disso, Lúcio Funaro, operador de Eduardo Cunha e do PMDB na Caixa Econômica Federal, já apresentou um roteiro do que pode entregar aos investigadores.

Sem fim 

Há ainda a expectativa de um acirramento maior de ânimos no Judiciário, com base em relatos até este momento inéditos que estão nas delações da JBS e da Odebrecht envolvendo integrantes de cortes superiores.

Cavalo de Troia 

Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tem em mãos mandado de segurança para levar ao Supremo assim que o pedido de explicações a Edson Fachin sobre sua relação com um lobista da JBS for aprovado na Câmara.


Terapia de grupo

Às vésperas do julgamento no TSE, ministros da corte conversaram sobre as “pressões de todos os lados”. Napoleão Nunes Filho comentou com colegas que sentia forte peso. Disse ter vontade de resolver de uma vez a ação.

Unidos Nesta terça (6), PT e PMDB concordavam em um ponto: o placar. Apostavam em cinco a dois pela absolvição da chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer.

Você amanhã

Senadores do PT dizem que não pouparão Aécio Neves (PSDB-MG) no Conselho de Ética da Casa, mas também não vão tripudiar sobre o mineiro. Temem que, com a aliança PMDB-PSDB, haja retaliação caso os ânimos se exaltem.

Entre eles

Se sobreviver até setembro, Michel Temer deu sinais de que escolherá o próximo procurador-geral da República entre os oito nomes que se candidataram ao cargo e, neste momento, disputam a preferência dos colegas da carreira.


Trânsito livre 

Preso nesta terça-feira (6), o ex-ministro Henrique Eduardo Alves frequentou o Planalto pelo menos até a semana passada. Na quinta (1), ele esteve no gabinete de Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo).

Grisalhos 

Sob pressão, Tasso Jereissati (CE), presidente do PSDB, reuniu ministros e parlamentares do partido. Metade da bancada da Câmara defende que os tucanos deixem o governo mesmo que o TSE absolva Temer.

Boca fechada 

Durante a reunião, parlamentares reclamaram da forma como Aécio Neves (PSDB-MG) se referiu à ação no TSE em conversa grampeada por Joesley Batista. Na ocasião, o mineiro disse que tomou a iniciativa para “encher o saco do PT”.

Intercâmbio

O prefeito João Doria (PSDB), propôs uma troca de experiências entre Rio e São Paulo. Sugeriu ao colega que está à frente da capital fluminense, Marcelo Crivella (PRB), que cedesse aos paulistanos o aplicativo de táxis bolado pela prefeitura para aumentar a competitividade da categoria.


Tipo exportação 

Em troca, Doria cederá estudos e aplicativos do Corujão da Saúde, uma das bandeiras de sua gestão, aos cariocas. Marcelo Crivella topou.

TIROTEIO

Alckmin dá uma de ‘Rolando Lero’. Faz contorcionismo para tentar explicar que é contra, mas a favor do desembarque do PSDB.

DE SIMÃO PEDRO, secretário de Serviços na gestão Fernando Haddad, sobre Geraldo Alckmin ter indicado não ser contra a saída do PSDB do governo Temer.

CONTRAPONTO

Pau para toda obra

Durante debate nesta terça-feira (6) sobre a reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Jorge Viana (PT-AC) aproveitou sua fala para criticar o projeto do Planalto e alfinetar o líder de Michel Temer na Casa, Romero Jucá (PMDB-RR).

— O que vai acontecer? Nem sabemos qual governo teremos — disse, para, em seguida, ironizar Jucá, que foi líder dos últimos três presidentes da República.
— Vossa Excelência vai ser líder da próxima gestão?

Relator da reforma na comissão, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) respondeu aos risos:

— Essa certeza todos nós temos, senador Viana!

Nenhum comentário:

Postar um comentário