Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

AQUI É DO BEM, PORRA!

O maior dos crimes

Tati Bernardi 


Resultado de imagem para porra


Aconteceu recentemente e prometi guardar segredo. Há tempos venho falando na terapia do estranho prazer que sinto em me expor ao ridículo. Só que dessa vez, dada a gravidade do caso, tomei o cuidado de aumentar as sessões e jurar contenção ao espelho. Só pra vocês entenderem, digamos que o cometido foi, se acordarmos em seguir chamando certezas de "o novo caráter", o típico feito vexatório de nossa década.

Mas não me seguro e cá estou. Nua, rasgada, pronta a me lambuzar em autochacota. O motivo que me leva a descrever humilhações continua sendo a minha eterna e frutífera doença, apelidada carinhosamente de "exibicionismo ao avesso". Muitos rirão, torcerão bocas em nojinho estrábico, apontarão unhas duras com profundas sujeirinhas. Tantos darão hides, unfollows, dislikes, compartilhamentos jocosos, entre outros ódios pretensamente impessoais e tão modernos. Que venham todos!

Eu estava com 12 pessoas em um jantar. A dona da casa, claramente sabendo ser essa a marca mais cara e mais importada dos últimos tempos, era "uma pessoa do bem". E quando uma pessoa é muito do bem pela gritante necessidade do status de ser reconhecida como tal (e não porque, sem se dar conta, nasceu gente boa), geralmente também é uma espécie de líder do grupo das pessoas do bem.

Claro, passemos rapidamente pelos clichês todos tais quais linhaça, cúrcuma, toda mídia é golpista, anti-inflamatório é demônio, amigxs, estou arrasada pela situação na França, mas venham à minha festa, viagens sem luxo é a nova viagem de luxo, estão proibidos os deliciosos jogos de poder com o chefe mesmo que em nome do fetiche, compostagem de lixo, maior riqueza é ter tempo, as rugas são lindas porque contam a história do rosto, brincar é tarja branca e por aí vai. Mas não é esse o caso.

Me refiro especificamente à principal característica das pessoas "status-sou-do-bem-pra-caramba": ter uma extremista opinião extremamente do bem sobre tudo. Economia? Pá! Tá aqui! Toma essa minha opinião do bem na sua cara! Lide com isso, meu bem. Sim, eu carrego estampado aqui no peito, alardeado em neon em minha testa os dizeres: AQUI É DO BEM, PORRA!

As pessoas que têm o bem como slogan querem mais do que "ser", querem deter o monopólio absolutista e devidamente anunciado e postado do bem. Às vezes, não têm a menor ideia do que estão falando, mas copiaram a opinião daquele colunista do bem e pá na sua cara. Repetem sem parar os memes do bem que todo mundo que é do bem repete. Você, pobre ser humano abraçado a qualquer honestidade existencial, está fora de jogo. Política? Como criar os filhos? Sexo anal? Parto? Ração sem transgênicos? Quem é do bem tem, na ponta da língua, a melhor maneira de se fazer tudo. Mas eu estou cansada.

Como dizia, era um jantar com 12 pessoas do bem e, por tédio, mas também por ideologia, acabei deixando escapar minha sentença de morte, a última frase que uma pessoa nesse 2017 pode ousar murmurar: "Eu... não sei".

Eu não dei conta de saber tudo. Eu precisei dormir e comer e escolher um filtro do Instagram. Eu não penso o tempo todo nos outros como vocês querem que todos pensem que vocês pensam. Eu penso bastante em mim e já me ocupa bastante. Eu acho que tá uma merda. Eu não acho que tava nenhuma maravilha. E, assim, fui retirada de grupos de WhatsApp, não recebi convites para os próximos jantares, parei de receber publicidade de goji berries e o primo do bem da dona da casa do bem parou de me mandar músicas. Estou ilhada em minha imperfeição demodê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário