Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

o jovem de hoje é o velho de amanhã.

Todos nós somos ou seremos velhos 

Mirian Goldenberg 





Minha amiga Gete me liga para avisar que iremos comemorar o aniversário de 89 anos de Nalva com um bolinho no supermercado. O supermercado é o lugar onde conheci Gete tocando piano. Ela toca, sem partitura, um vasto repertório de músicas clássicas, serestas, tangos e sambas. No mesmo lugar, Gete conheceu Nalva. Hoje são muito amigas e eu me tornei amiga das duas.

Nalva chega às seis da noite, muito animada e elegante. Logo diz: "Posso te pedir uma coisa? Você promete que não fica chateada? Não use mais a palavra velho. Eu não sou velha! Tenho muitos projetos: vou publicar um livro de poesias e um de memórias, registrar os CDs que gravei tocando piano, fazer um show para arrecadar dinheiro para o Retiro dos Artistas".

Respondo: "Mas, Nalva, todos nós somos ou seremos velhos, o jovem de hoje é o velho de amanhã. E eu também sou velha! E ser velho é lindo!"

Nalva também não gosta de idoso, terceira idade, melhor idade, ancião, antigo, coroa, sênior. Digo que existe a palavra mayores (em espanhol) e que no meu livro "A Bela Velhice" defendo a ideia de ageless (sem idade) ou inclassificáveis.

Gete chega e diz: "Eu gosto de velho, acho bonita a palavra. Eu sou velha, já passei dos 80, vou fazer 89 anos. Mas velho não quer dizer decrépito, decadente, incapaz, inútil, doente, frágil. Velho tem mais experiência, tem mais tempo de vida. Sou muito mais feliz hoje do que fui aos 20, 30 e 40 anos".
Muitos amigos de mais de 80 anos vão se juntando ao alegre grupo. Por mais de três horas, Gete e Nalva se alternaram no piano tocando músicas de todos os tipos.

Quando uma estava tocando, a outra cantava, dançava, conversava, servia vinho e bolo para os convidados, sem parar um só minuto. Wilson, 93 anos, marido da Gete, observava tudo atentamente, cantava e conversava com seu amigo Guedes, de 94 anos. Wilson me convidou para o próximo show do grupo musical Telhado Branco, onde toca pandeiro.

Gete, Wilson e Nalva, meus novos e queridos amigos, têm sido uma bela lição para a invenção do meu envelhecimento.
Vocês têm alguma sugestão para designar essa fase da vida que chamo de "bela velhice"? Como presente para Nalva, vocês me ajudariam a encontrar uma palavra mais bonita do que velho?

Nenhum comentário:

Postar um comentário