Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

segunda-feira, 10 de abril de 2017

e ainda pedem mais: armas, armas, armas...

Assassinatos no Brasil deixam mais mortos que guerra na Síria

O número de vítimas fatais contabilizados pela Fórum Brasileiro de Segurança Pública entre 2011 e 2015 no Brasil é de 278.839

São Paulo - Os assassinatos registrados no país nos últimos quatro anos provocaram mais mortes que a guerra na Síria, segundo a ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A mais recente edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública registra 58.383 mortes violentas e intencionais em 2015 no Brasil, o que equivale a um óbito a cada nove minutos.
O documento contempla homicídios dolosos, lesões corporais seguidas de morte, crimes durante assaltos, mortes provocadas pela polícia e agentes mortos, tanto em serviço como fora dele. Este é considerado o relatório mais extenso sobre o assunto. O número de assassinatos contabilizados pela ONG entre 2011 e 2015 no Brasil é de 278.839. Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, a guerra na Síria matou 256.124 pessoas no mesmo período.
Policial militar e cabo do Exército foram mortos em bairro da Zona Oeste do Rio de JaneiroWhatsApp O DIA (98762-8248)
A taxa de homicídios no país foi de 28,6 por cada 100 mil habitantes, contra 28,9 em 2014, superando com folga o limite de 10 por 100 mil que a ONU considerada como violência endêmica. Nesta sexta-feira, o presidente Michel Temer se reuniu com as máximas autoridades da Justiça, Defesa, Senado e Forças Armadas para abordar o problema da insegurança pública. "Foi realizado um amplo diagnóstico do problema da insegurança em todo o país", disse o ministro da Defensa, Raúl Jungmann, ao final da reunião.
Por conflitos internos, cidades sírias são bombardeadas constantemente e a maior parte das vítimas é inocenteAFP
De acordo com o Anuário, a violência atinge com mais força os Estados pobres da região nordeste. Sergipe lidera com uma taxa de 57,3 por 100 mil habitantes, com crescimento de 18,2% em relação a 2014; seguido por Alagoas, cuja taxa caiu de 64,1 a 50,8, e Rio Grande do Norte, com taxa de 48,6.
O relatório também evidencia a brutalidade com que age a polícia brasileira, com a morte de nove pessoas por dia pelas forças da ordem. Em 2015, 3.345 pessoas morreram nas mãos da polícia, uma alta de 6,3% em relação ao ano precedente. O relatório revela ainda que 393 policiais perderam a vida em 2015, 103 em serviço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário