Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

sexta-feira, 21 de julho de 2017

OMS faz um alerta para o aumento da resistência do vírus aos medicamentos para tratar a infecção.

OMS faz alerta para aumento de resistência a drogas contra o HIV

A terapia antirretroviral é uma combinação de três remédios ou mais para impedir a multiplicação do vírus



A OMS (Organização Mundial da Saúde) lançou hoje um relatório sobre a situação do HIV no mundo no qual faz um alerta para o aumento da resistência do vírus aos medicamentos para tratar a infecção.

Segundo a entidade, esse crescimento pode minar o progresso global no tratamento e na prevenção da infecção por HIV caso uma ação rápida e eficaz não seja tomada.

Em 6 dos 11 países pesquisados na África, Ásia e na América Latina, cerca de 10% das pessoas que estavam começando o tratamento com antirretrovirais tinham uma cepa do HIV resistente a alguns dos remédios mais usados.

"A resistência a medicamentos é um desafio crescente à saúde global e ao desenvolvimento sustentável", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

O problema surge quando as pessoas não aderem ao tratamento prescrito, em geral porque elas não têm acesso consistente a cuidados de qualidade e terapias contra o HIV. Em pacientes com resistência aos medicamentos contra HIV o tratamento não funcionará adequadamente; elas podem também transmitir os vírus resistentes a outras pessoas. O nível de HIV no sangue vai subir, a não ser que eles mudem para um novo regime de tratamento, que pode ser mais caro e mais difícil de ser obtido.

Dos 36,7 milhões de pessoas vivendo com HIV no mundo, 19,5 milhões tiveram acesso aos tratamentos antirretrovirais em 2016.

Por isso, a OMS lançou novas diretrizes para ajudar os países a lidar com a resistência às drogas contra o HIV. Elas recomendam que os países monitorem a qualidade de seus programas e ajam assim que as falhas no tratamento sejam detectadas.

Modelos matemáticos mostram que 135 mil novas mortes e 105 mil novas infecções podem ocorrer nos próximos cinco anos se nada for feito contra a resistência.

MORTES EM QUEDA

A OMS também afirmou nesta quinta (20) que as mortes relacionadas à Aids caíram pela metade desde 2005.

Em 2016, 1 milhão de pessoas morreram por causa do HIV, quase metade do 1,9 milhão registrado em 2005, o que a OMS chama de "virada decisiva".

Mais da metade das pessoas infectadas no mundo recebe tratamento, e o número de novas infecções pelo HIV está em queda, ainda que a um ritmo muito lento para conseguir conter a epidemia.

"O número de mortes relacionadas à Aids passou de 1,9 milhão em 2005 para um milhão em 2016", apontou o UNAids, o programa de coordenação da ONU contra a Aids, em seu informe anual sobre a situação da epidemia.

Esse avanço se explica, em grande parte, por uma melhor difusão do tratamento antirretroviral.

Em 2016, 19,5 milhões de pessoas, do total de 36,7 milhões que vivem com HIV, tinham acesso a tratamento, ou seja, mais de 53%, segundo dados divulgados pelo programa.

"Nossos esforços deram resultado", comemorou o diretor-executivo do UNAids, Michel Sidibé, citado no informe. "Mas nossa luta para pôr fim à Aids está apenas começando. Vivemos tempos difíceis, e os avanços conquistados podem se apagar facilmente", disse.

NOVA INFECÇÃO A CADA 17 SEGUNDOS

Ao todo, 1,8 milhão de pessoas foram infectadas no ano passado, o que equivale a uma contaminação a cada 17 segundos, em média.

Este número registra uma queda constante ano após ano, excetuando-se um ligeiro aumento em 2014. Em 1997 alcançou a cifra recorde de 2,5 milhões de novas infecções.
Não obstante, o ritmo segue sendo muito lento para erradicar a epidemia e chegar ao objetivo marcado pela ONU para 2020 de 550.000 novas contaminações.

Desde o início da epidemia, no começo dos anos 1990, cerca de 76,1 milhões de pessoas contraíram o HIV e 35 milhões morreram, o equivalente à população de um país como o Canadá.

Ainda não existe vacina para o HIV ou um medicamento que cure a Aids. As pessoas soropositivas devem fazer um tratamento com antirretrovirais durante a vida inteira para impedir que o vírus se propague.

Estes tratamentos são caros e têm efeitos colaterais, mas em longo prazo melhoraram o estado de saúde dos soropositivos e aumentaram a expectativa de vida.

Se não receberem tratamento, as pessoas infectadas desenvolvem a Aids, o que enfraquece o sistema imunológico e as expõe a infecções. A tuberculose continuava sendo, em 2016, a principal causa de morte das pessoas com HIV.

AMÉRICA LATINA

Na América Latina, o número de mortes relacionadas ao vírus da Aids diminuiu 12% entre os anos de 2010 e 2016.
Este progresso significativo é explicado graças a uma maior cobertura de tratamentos antirretrovirais que em 2016 chegou a 58% das pessoas infectadas.

No ano passado, 36.000 pessoas morreram na região por conta de doenças associadas à Aids.

No total, 1,8 milhão de pessoas viviam com o HIV na América Latina em 2016. As novas infecções se mantiveram estáveis desde 2010 com cerca de 100.000 casos por ano.

Além da América Latina, a região do mundo que teve mais progressos são a África austral e oriental, onde vive mais da metade dos soropositivos do mundo.

As mortes relacionadas à Aids nessa região caíram em 42% desde 2010 e as novas infecções 29%.

Mas a UNAids se impressiona com a explosão da epidemia na parte leste da Europa e na Ásia central, onde o número de mortes aumentou 27% em seis anos e as novas infecções em 60%.

A situação é particularmente preocupante em países como Rússia, Albânia, Armênia e Cazaquistão. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário