Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

"homem público probo e digno, com uma imaculada trajetória".

Imaculado presidente

Bernardo Mello Franco 



O advogado de Michel Temer apresentou sua defesa à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. A peça parece inspirada no vocabulário barroco do presidente. Recorre a mesóclises e a adjetivos de antanho para rebater a denúncia que o acusa de corrupção.

Antônio Cláudio Mariz de Oliveira descreve Temer como um "homem público probo e digno, com uma imaculada trajetória". Ele sustenta que o presidente não cometeu crimes. Foi apenas vítima de "cerebrinas elucubrações", feitas de forma "malévola" pelo Ministério Público Federal.

Nas palavras do causídico, as acusações são "assertivas gratuitas, jogadas ao léu, fruto de admirável esforço intelectual para a criação ficcional". "Mostrar-se-á a inconsistência desses fatos", promete o advogado. Algumas páginas adiante, ele sustenta que ligar Temer à mala de dinheiro entregue a seu assessor não passa de uma "infamante acusação".

Para o doutor Mariz, a denúncia que pode afastar seu cliente do cargo é "chocha e capenga, carente de imputações sérias e substanciosas". Ele diz que Temer não fez mal em receber Joesley Batista nos porões do Jaburu, tarde da noite, sem registro na agenda. "Jamais suporia tratar-se também de um criminoso do colarinho branco", alega o advogado.

A defesa insiste na tese de que a gravação sofreu "manipulações fraudulentas", embora a Polícia Federal tenha afastado essa hipótese. Mariz prefere confiar no perito Ricardo Molina, que foi contratado por Temer.

Por fim, o advogado critica os jornalistas que cobrem o escândalo. Ele diz que o presidente é "vítima de torpe e infame tratamento dispensado por parte de uma imprensa irresponsável e leviana". Após entregar a defesa, ele procurou os mesmos jornalistas para dar uma entrevista. "Essa acusação não é contra um cidadão comum. É contra o presidente da República e contra o Brasil", declarou.

Segundo o Datafolha, 83% dos brasileiros acreditam que Temer teve envolvimento direto em corrupção. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário