Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

E olha que seu pai não acredita em Deus. Pra você ver.

Desde que eu soube que você viria

Gregorio Duvivier




Filha,
Desde que eu soube que você viria não tem um dia em que eu não tenha sonhado com você. Já sonhei que você era uma bailarina do Municipal, já sonhei que você era um cavalo (um cavalão castanho, maior que a sua mãe, o médico perguntava "vocês comeram muito durante a gravidez?" "Comemos." "Então é isso" –na dúvida, filha, estamos evitando carboidrato depois das seis) e já sonhei que você era a protagonista de uma novela das seis chamada "Matilda"–o que me levou a querer te chamar de Matilda– sua mãe, sorte sua, me demoveu da ideia.

Desde que eu soube que você viria não tem um dia que não tenha passado mais devagar do que deveria. Desde que eu soube que você viria os dias têm se contado em semanas e as semanas têm demorado um mês.

Costumava me espantar com o calendário: "Mas já?", dizia, e, desde que soube de você, só digo: "Mas ainda?". Sua mãe tá mais ansiosa ainda. Sempre antecipa uma semana. "Hoje", ela diz, "faz 16 semanas". "Não, amor, hoje faz 15". "Então, se hoje faz 15, hoje eu entro na 16ª. Ou seja: faz 16 semanas". Faz sentido, penso. Filha, seus pais são de humanas.

Desde que eu soube que você viria não tem um dia em que eu não tenha deixado alguma besteira pra lá por sua causa. "OK", penso, "que merda. Mas qual é a importância disso comparado ao fato de que eu vou ter uma filha?"

Desde que eu soube que você viria não tem um dia em que não tenha pensado em te apresentar a alguma coisa: Beatles, "O Pequeno Nicolau", Roald Dahl, Elena Ferrante, o Arpoador, a cachoeira do Horto, o Maracanã, o Tablado, o Carnaval. Muita coisa pra te contar, e muita coisa que eu quero que você me explique, como os vloggers, os youtubers e os fidget spinners.

Desde que eu soube que você viria não tem um dia em que eu não tenha pensado no derretimento das calotas, nos cometas que podem estar vindo em nossa direção e em todas as formas possíveis de apocalipse. Não quero te aterrorizar, filha, mas me apavora a ideia de que o mundo pode acabar antes de você ficar velha. Mas, calma, tenho lido muito sobre isso e, se a gente tiver a sorte de enxergar o cometa a tempo, dá pra mandar um míssil nuclear na direção dele e destruí-lo antes que ele atinja a gente.

Desde que eu soube que você viria não tem um dia em que eu não tenha pedido a Deus que ele não nos mande nenhum cometa pelos próximos cem anos. E olha que seu pai não acredita em Deus. Pra você ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário