Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

detalhes de uma queda anunciada

A investidores, senador Cássio Cunha Lima afirma que “o governo caiu” e país “terá novo presidente”

POR PAINEL

Nua e crua 

Em fala a um grupo de investidores nesta quinta (6), o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) disse que, se depender do processo na Câmara, “dentro de 15 dias o país terá um novo presidente”. Para o tucano, a “instabilidade aumentou” com a prisão de Geddel Vieira Lima, o avanço da delação de Eduardo Cunha e a escolha de Sergio Zveiter (PMDB-RJ) como relator da denúncia na CCJ. Evidenciando que uma ala do tucanato rifou Michel Temer, afirmou que “o governo caiu”.

Olho no futuro 

Ao falar das reformas, Cássio Cunha Lima disse que, se Temer continuar no Planalto, as propostas não passarão. O senador ainda enfatizou que Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, já teria dado sinais de que não mexerá na equipe econômica se assumir o governo. “Maia deverá apresentar mais estabilidade.”

Falando nisso 

Em conversa recente, petistas que atuam no Senado disseram, em tom de deboche, que o grande legado do governo Dilma Rousseff foi conseguir “ressuscitar o DEM”.


Desunidos 

Cada vez mais evidente, a disposição dos tucanos em abandonar o governo Temer ainda esbarra em ala diminuta do partido que defende a manutenção do apoio ao peemedebista.

Diminui que dá 

O grupo que vem perdendo força defende que a decisão sobre o rumo do partido seja tomada por um colegiado seleto: os seis governadores, o prefeito de São Paulo, João Doria, os líderes no Congresso, o presidente interino, Tasso Jereissatti, e o licenciado, Aécio Neves. FHC seria ouvido.

Sapato furado 

Em almoço com o ex-presidente Fernando Henrique, nesta quinta (6), Doria engrossou o coro daqueles que acham que Temer deveria buscar uma saída negociada. O prefeito pagou a conta do encontro e depois saiu para caminhar com FHC.

Vamos ter calma 

Aliados de Aécio Neves decidiram reagir à pressão de Doria e outros tucanos de São Paulo para que o senador renuncie ao comando do PSDB.

Seu quadrado 

“Doria tem mais é que focar em São Paulo. Se começa a se dedicar tanto a outras questões, ele, que é um líder emergente, pode ficar ofuscado. As pessoas são implacáveis em querer resultados”, disse o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG).

Pacto nacional 

Em encontro com parlamentares da oposição nesta semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, teria dito que “não quer fazer com Temer o que ele fez com Dilma”, mas avaliou que “a situação do governo é insustentável”.


Pacto nacional 2 

Maia, segundo esses parlamentares, disse ter dúvidas se Temer conseguirá sobreviver à votação da primeira denúncia e teria indicado que a base sabe que “tudo o que tem com Temer manterá comigo”.

Nada disso 

Procurado, o presidente da Câmara negou o relato. “Não é verdade. Não falei com a oposição esta semana. Só estive em uma reunião, com 40 deputados, a maioria da base, e o assunto era reforma política.”

Desgraça pouca… 

Presidente da CCJ da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) vai colocar a PEC das Diretas em pauta na terça (11), dia seguinte à apresentação do parecer de Sergio Zveiter (PMDB-RJ) sobre a denúncia.

… é bobagem 

A direção da Câmara disponibilizou nesta quinta-feira (6) a denúncia e os grampos de Joesley Batista no site da Casa.
Reação A Rede vai à Justiça contra a decisão da PF de extinguir a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Beijinho no ombro 

Na quarta (5), o grupo de artistas contra Temer ganhou novo integrante. Valesca Popozuda esteve em encontro na casa de Paula Lavigne, no Rio.

TIROTEIO

A fritura de Temer está esquentando rapidamente até em sua base aliada. Nem R$ 4 bilhões em emendas estão resolvendo.

DO DEPUTADO ANDRÉ FIGUEIREDO (PDT-CE), sobre o desafio de Temer para segurar apoio dos aliados, mesmo depois de liberar emendas parlamentares.

CONTRAPONTO

Aqui é Corinthians, meu!

Logo depois de entregar a defesa de Michel Temer aos deputados da Comissão de Constituição e Justiça, na quarta (5), Antônio Claudio Mariz de Oliveira, advogado do presidente seguiu para o Salão Verde da Câmara para conceder entrevista coletiva aos jornalistas.

Escoltado por policiais legislativos e por parlamentares da tropa de choque de Temer, Mariz foi surpreendido por um abraço caloroso de Andrés Sanchez (PT-SP).

Logo após o susto, Carlos Marun (PMDB-MS) interveio:
— Quer dizer que acabamos de virar um voto?
Mariz respondeu aos risos:
— Esse voto aqui sempre foi nosso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário