Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

em terra de plagiadores, quem dá voadora na língua portuguesa é peixinho.

Novo diplomata escreve ‘dipromático’ em carta ao Itamaraty

Por Gabriel Mascarenhas

Quem se queixa de um “pobrema” não se deu conta de que tem dois. Por essa lógica, o problema do Itamaraty é mais grave do que se supunha.
Como se não bastasse desembolsar de R$ 370 mil para 29 diplomatas ficarem em casa, o Ministério das Relações Exteriores agora descobriu que pelo menos um deles se destaca pelo péssimo trato ao vernáculo.
O calouro, aprovado em 2016 no concurso do Instituto Rio Branco, historicamente um dos mais difíceis do país, enviou uma carta de próprio punho ao Itamaraty,  requisitando seu passaporte diplomático – pelo menos a ideia era essa.
O texto do diplomata vinha perfeito, até chegar ao objetivo do comunicado: a solicitação do documento. Nessa linha, o camarada escorregou e deu uma voadora na língua portuguesa, escrevendo “dipromático”.
“Muito agradeceria a vossa senhoria o obséquio de deferir este pedido de emissão do passaporte dipromático (sic), em função do exercício do cargo de terceiro secretário[…]”.
Não se sabe ainda como os formalíssimos itamaratecas vão solucionar esse “pobremão”. Por enquanto, tem gente apavorada mesmo é com o dia em que ele precisar escrever uma carta em inglês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário