Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O que se assiste hoje é muito, mas muito pior. É a política reduzida ao entretenimento. Cabe à população ocupar o lugar não de cidadãos, mas de plateia. De claque de auditório.

Doria Gray e as leis do poder
Como compreender o novo prefeito de São Paulo a partir do seu livro de cabeceira

ELIANE BRUM

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), em sua foto oficial nas redes sociais.
O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), em sua foto oficial nas redes sociais. 

Faça os outros trabalharem por você, mas sempre fique com o crédito. Use a sabedoria, o conhecimento e o esforço físico dos outros em causa própria. Não só essa ajuda lhe economizará um tempo e uma energia valiosos, como lhe dará uma aura divina de eficiência e rapidez. No final, seus ajudantes serão esquecidos e você será lembrado. Não faça você mesmo o que os outros podem fazer por você.

Esta é a Lei 7 de um livro que se tornou obrigatório para compreender o novo prefeito de São Paulo, João Doria(PSDB). Há mais 47 mandamentos desta estirpe. A leitura pode ajudar seus eleitores a entender o homem a quem deram o poder de comandar a maior cidade do Brasil e a população a compreender esse tipo ascendente de político – e ascendente não só no Brasil, mas no mundo, como a vitória de Donald Trump demonstrou – que se anuncia como não político.
Em seu discurso de posse, em 1 de janeiro, Doria dirigiu-se a seu padrinho, Geraldo Alckmin (PSDB), e citou a lei 28: “E finalizo, governador, citando uma frase de Robert Greene, que escreveu, o senhor que gosta de boas citações, As 48 Leis do Poder. Disse Green: ‘Sejamos ousados, qualquer erro cometido com ousadia é facilmente corrigido com mais ousadia. Todos admiram os corajosos. Ninguém louva os covardes’”.
É comum políticos citarem frases e autores ao tomar posse de seus cargos públicos. Sempre dá “um lustro”. Mas como escolher, entre toda a literatura mundial de ficção e não ficção, o conhecimento impresso através dos séculos, qual é o livro e o autor que merecem ser eleitos tanto para representar a apoteose pessoal de cada um como para ilustrar o momento histórico diante das câmeras?
É preciso admirar muito autor e livro, tanto por acreditar que citá-los vai agregar valor a si mesmo como porque estará se juntando a eles em discurso que, bom ou ruim, é de imediato registrado na história. Assim, a maioria prefere optar por obras e autores já consagrados pela fortuna crítica, podendo citar um filósofo como Sêneca ou um escritor como Guimarães Rosa. Mas como Doria, “o ousado”, ousa, “porque todos admiram os corajosos”, arriscou-se a Robert Greene.
É mais do que significativa a escolha de Doria, que pelo seu comportamento parece acreditar ser uma versão atual de “Príncipe”, de citar um autor que já foi chamado de “o novo Maquiavel”, assim como um best-seller internacional. E também é significativo que o faça olhando para seu padrinho, o governador Geraldo Alckmin que, como diz o afilhado, “gosta de boas citações”.
Vejamos as “boas citações” do livro indicado pelo novo prefeito de São Paulo. A Lei 12, por exemplo: “Um gesto sincero e honesto encobrirá dezenas de outros desonestos. Até as pessoas mais desconfiadas baixam a guarda diante de atitudes francas e generosas. (...) Uma vez que a sua honestidade seletiva as desarma, você pode enganá-las e manipulá-las à vontade”.
Ou a Lei 27: “Jogue com a necessidade que as pessoas têm de acreditar em alguma coisa para criar um séquito de devotos. As pessoas têm um desejo enorme de acreditar em alguma coisa. Torne-se o foco desse desejo oferecendo a elas uma causa, uma nova fé para seguir. Use palavras vazias de sentido, mas cheias de promessas (...) Dê aos seus novos discípulos rituais a serem cumpridos, peça-lhes que se sacrifiquem por você”.
Ou ainda a Lei 17: “Mantenha os outros em um estado latente de terror. Cultive uma atmosfera de imprevisibilidade. Os homens são criaturas de hábitos, com uma necessidade insaciável de ver familiaridade nos atos alheios. A sua previsibilidade lhes dá um senso de controle. Vire a mesa: seja deliberadamente imprevisível. O comportamento que parece incoerente ou absurdo os manterá desorientados, e eles vão ficar exaustos tentando explicar seus movimentos. Levada ao extremo, esta estratégia pode intimidar e aterrorizar”.
Ninguém pense que Robert Greene e suas 48 leis dos poder são apenas uma reciclagem mal ajambrada de clássicos do ramo, como o O Príncipe, de Nicolau Maquiavel (1649-1527), ou A Arte da Guerra, de Sun Tzu (séc IV a.C). O livro, lançado em 1998, é a realização de tudo o que prega. A edição é vistosa – no Brasil, ele saiu pela Rocco, com a palavra “Poder” escrita em dourado na capa. E permite várias entradas para a leitura. Os textos são curtos, a estrutura é clara, o alinhamento é arejado e o uso de duas cores destaca a organização.
Cada capítulo apresenta o enunciado da lei, seguido pelo resumo da lei, sob o título “julgamento”. E então “a lei observada” e/ou “a lei transgredida”, com histórias saborosas de personagens históricos tão díspares quanto Galileu e Mata Hari – e a sua interpretação. Não é necessário preocupar-se com reflexões próprias: as laterais, onde muita gente costuma fazer anotações a lápis no caso de livros impressos, já estão ocupadas com provérbios e citações sobre o tema. Em seguida, vêm “as chaves do poder”, uma análise da lei e sua potência. Por fim, “o inverso”, um curto tópico que protege o autor de qualquer problema que o leitor possa vir a ter ao seguir aquele mandamento. Afinal, pode haver momentos em que a melhor escolha é fazer exatamente o contrário.
A Lei 6, por exemplo, determina: “Chame atenção a qualquer preço. Julga-se tudo pelas aparências; o que não se vê não conta. Não fique perdido no meio da multidão, portanto, ou mergulhado no esquecimento. Destaque-se. Fique visível a qualquer preço”.
Inspirado por ela, seria possível criar uma parábola num país de ficção: “O mandatário de uma cidade bem grande quer ser visto todo dia e o dia inteiro, porque planeja alcançar cargos ainda mais elevados, à altura do Príncipe que acredita ser, e ocupar palácios ainda mais grandiosos. Como já seguiu a Lei 29, que manda planejar cada passo e antecipar todos os reveses e obstáculos para que outros não fiquem com os louros no seu lugar, este mandatário sabe que ficar labutando entre quatro paredes não rende nenhuma imagem. Sem contar as instalações francamente aquém de sua pessoa em comparação com seu próprio castelo, um dos dez maiores da cidade tão desigual, que já conseguiu erguer seguindo com prodigioso afinco todas as 48 leis. Assim, este mandatário convoca os narradores e promove pelo menos um espetáculo por dia, quando não por hora. Como ele já convive com os ricos e os poderosos, os barões e os bispos, com a desenvoltura de um peixe dourado num aquário de cristal blindado, ele aposta em aparecer ao lado dos ‘humildes’ e dos ‘simples’, porque é desta massa pobre e cinzenta que vem a vitória nas urnas. Algo rápido, como postar-se junto a trabalhadores que ganham salário de fome para trilhar quilômetros diários limpando o lixo das ruas da vasta cidade. E então, duas vassouradas e 10 segundos que depois se transformam em horas e horas de repetições nas telas de todos os tamanhos. Algo capaz de garantir uma imagem-símbolo, mas sem contaminá-lo, afinal a Lei 10 alerta: ‘A miséria alheia pode matar você (...) Associe-se aos felizes e afortunados’. Este mandatário cerca-se ainda de alguns expoentes de outros reinos porque, enquanto não puder esmagá-los, eles não só lhe agregam valor como são neutralizados. Em especial se forem inimigos, já que a Lei 2 é taxativa: 'Não confie demais nos amigos, aprenda a usar os inimigos”. Sem contar a imagem de conciliador que vai consolidando em sua escalada do poder'.
Esta parábola poderia integrar uma nova edição de As 48 Leis do Poder. Cada mandamento do livro é ilustrado com curtos episódios históricos, como nos antigos almanaques, e até mesmo com fábulas como as de Esopo e provérbios sufis. Parece haver sempre um provérbio sufi neste tipo de livro, aliás. O escritor best-seller convoca pensadores de todas as épocas históricas para trabalhar para ele e deixá-lo rico.
Robert Greene conhece profundamente o seu público. Há personagens famosos, que frequentam o imaginário coletivo. Estes servem para que o leitor não se sinta burro. Ao deparar-se com um nome que conhece, o leitor já entra na obra sentindo-se um iniciado. E, portanto, com muito mais boa vontade. Ao mesmo tempo, qualquer prurido que possa ter diante da podridão exalada pelo mandamento é anulado pela relação manipulada com grandes nomes da história. Logo, o seguidor passa a acreditar que ele e Napoleão são almas gêmeas separadas apenas por oceanos de tempo.
Mas Greene tem o cuidado de selecionar também episódios mais obscuros, assim como autores menos conhecidos do grande público. Afinal, ele precisa mostrar que trabalhou um pouco e que se difere dos numerosos concorrentes no gênero autoajuda para déspotas. E seu leitor precisa sentir que está aprendendo algo. Desta maneira, ao encontrar um nome como Baltasar Gracián (1601-1658), os seguidores de seus mandamentos têm a impressão de que estão ganhando uma certa erudição. Tudo isso com textos curtos, que não exigem esforço e podem ser lidos salteados.
O livro citado pelo prefeito de uma das maiores cidades do mundo já foi definido como a “Bíblia dos Psicopatas”. Mas, quando lhe acusam de estar promovendo o pior, Robert Greene se limita a dizer: “Eu não sou mau, sou apenas realista”. Logo, quem o critica é um tolo, porque não percebe o mundo real – ou um dissimulado, porque finge não percebê-lo. Ser escroto, neste caso, é convertido num ato de honestidade. Ainda que as pessoas não precisem ficar sabendo, como alerta a Lei 3: “Envolva-as em bastante fumaça e, quando elas perceberem as suas intenções, será tarde demais”.
Logo no prefácio, o grande compilador já se antecipa e procura bloquear qualquer ataque que possa receber. Investe vários parágrafos para reduzir todas as pessoas que possam considerar as 48 leis um exemplo de cinismo e corrosão ética a manipuladores piores e ainda mais furtivos. Robert Greene explica ao leitor que hoje o mundo se assemelha muito à antiga corte aristocrática: “Tudo deve parecer civilizado, decente, democrático e justo. Mas, se obedecermos com muita rigidez a estas regras, (...) somos esmagados pelos que estão ao nosso redor e não são assim tão tolos”.
E, em seguida: “Por fora você deve aparentar que é uma pessoa de escrúpulos, mas, por dentro, a não ser que você seja um tolo, vai aprender logo a fazer o que Napoleão aconselhava: calçar a sua mão de ferro com uma luva de veludo”. E ainda: “A fraude e o disfarce não devem ser vistos como feios e imorais. Todas as interações humanas exigem que se trapaceie em muitos níveis”. E segue: “Treinando para ser dissimulado, você prospera na corte moderna, aparentando ser um modelo de decência enquanto está sendo um consumado manipulador”.
Numa entrevista ao jornal britânico The Guardian, publicada em 2012, Greene alegou que a maioria dos e-mails que recebe são de jovens dizendo que usam seu livro para entender como pessoas manipuladoras agem e aprender a se proteger delas. Mas ele também admite que o livro ajuda alguns canalhas a mergulhar no território da sociopatia, o que faria com que ele se sentisse mal. Mais importante do que saber se Greene convenientemente se protege na dubiedade, seguindo as leis do seu livro, enquanto segue ganhando dinheiro com suas cartilhas sobre como esmagar pessoas e alcançar o poder, é saber o que se passa no nosso vasto quintal. Ao evocar o livro em sua posse, o que o prefeito de São Paulo diz? E para quem?
Doria galgou uma longa escadaria esforçando-se para ser “o cortesão perfeito” dos eventos que promovia reunindo os ricos e os poderosos do país. Lembra o cortesão da corte contemporânea da Lei 24: “O cortesão perfeito prospera num mundo onde tudo gira em torno do poder e da habilidade política. Ele domina a arte da dissimulação; ele adula, cede aos superiores, e assegura o seu poder sobre os outros da forma mais gentil e dissimulada. Aprenda e aplique as leis da corte e não haverá limites para a sua escalada na corte”.
Quando Doria empunhou a vassoura para produzir uma imagem-símbolo em sua primeira segunda-feira no comando de São Paulo foi comparado a Jânio Quadros, o prefeito do “varre, varre vassourinha, varre, varre a bandalheira”, entre outras pirotecnias. Mas este não é o populismo do século 20. O que se assiste hoje é muito, mas muito pior. É a política reduzida ao entretenimento. Cabe à população ocupar o lugar não de cidadãos, mas de plateia. De claque de auditório. Por isso o verbo “assistir” é tão exato. A passividade é rompida apenas para ser reforçada, ao apertar o botão de “curtir”.
Sobre vassouras e mãos limpas, a propósito, há um mandamento específico. É a Lei 26: “Você deve parecer um modelo de civilidade e eficiência. Suas mãos não se sujam com erros e atos desagradáveis. Mantenha essa aparência impecável fazendo os outros de joguete e bode expiatório para disfarçar a sua participação”.
Na sexta-feira (6/1), duas figuras que costumam ser relacionadas aos direitos humanos, o Padre Julio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua, e o vereador Eduardo Suplicy (PT), foram reduzidas a jurados de programa de auditório. O show era de Doria, que convocou a imprensa para anunciar que havia conseguido emprego para uma única pessoa: o irmão do ambulante espancado e morto no metrô de São Paulo no Natal.
Para quem consegue se distanciar do palco e lembrar a tragédia real, tanto a da família do homem assassinado quanto a da corrupção do espaço público em prol do espetáculo, as imagens produzidas são um show de horrores. Mas a Lei 25 é cristalina: “Seja senhor da sua própria imagem, em vez de deixar que os outros a definam para você. Incorpore artifícios dramáticos aos gestos e ações públicas – seu poder se fortalecerá e sua personagem parecerá maior do que a realidade”.
Pode ser complementada ainda pela Lei 37: “Imagens surpreendentes e grandes gestos simbólicos criam uma aura de poder – todos reagem a eles. Encene espetáculos para os que o cercam, repletos de elementos visuais interessantes e símbolos radiantes que realcem a sua presença. Deslumbrados com as aparências, ninguém notará o que você realmente está fazendo”.
Ao testemunhar Doria arregimentando para seus espetáculos figuras públicas que até pouco tempo o criticavam, quando não empregando-as, é inevitável lembrar a Lei 5: “(...) Aprenda a destruir seus inimigos minando as suas próprias reputações. Depois, afaste-se e deixe a opinião pública acabar com eles”. Há ainda a 21: “Faça-se de otário para pegar os otários”.
Se Geraldo Alckmin acolher a indicação literária do afilhado, poderá descobrir-se identificado com uma vaca. Diz a Lei 23: “Ao procurar fontes de poder para promovê-lo, descubra um patrono-chave, a vaca cheia de leite que o alimentará durante muito tempo”. Em caso de dúvida, a número 1 é também bastante esclarecedora: “Não ofusque o brilho do mestre. (...) Faça com que seus mestres pareçam mais brilhantes do que são na realidade e você alcançará o ápice do poder”. Isso, como o autor alerta, apenas até o Mestre tornar-se uma “estrela cadente”. Neste caso, ele aconselha: “Não tenha misericórdia”. Mas, enquanto isso não acontece, “a melhor maneira de se proteger é ser tão fluido e amorfo como a água”.
Ao encarar o retrato de Doria Gray em todas as telas, com seu sorriso de dentes tão brancos, é inevitável pensar se há um outro escondido em algum lugar, respirando no escuro.
Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora dos livros de não ficção Coluna Prestes - o Avesso da Lenda, A Vida Que Ninguém vê, O Olho da Rua, A Menina Quebrada, Meus Desacontecimentos, e do romance Uma Duas. Site: desacontecimentos.com Email: elianebrum.coluna@gmail.com Twitter: @brumelianebrum

Nenhum comentário:

Postar um comentário