Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

2016 resolveu falar: "Fácil falar de mim. Quero ver pagar minhas contas."

'Vocês vão se arrepender de querer que eu termine', diz 2016 

Gregorio Duvivier 


Resultado de imagem para reveillon 2016

Quem vos fala é o ano que corre. Calma, guardem suas pedras. Sei que não sou benquisto entre vocês. Tenho ouvido a torto e a direito o bordão "acaba, 2016" -praticamente um novo "Fora, Temer". Sei que pareço tão interminável quanto o interino- mas ao contrário dele, tenho hora pra acabar. E falta pouco.

Desistam de me matar antes do fim. Pra começar, um ano só morre de morte natural. Sinto informar que nunca, em toda a história, um ano acabou antes do tempo regulamentar. Aliás, minto. O ano de 1582, coitado, teve dez dias a menos, mas seu encurtamento não teve nada a ver com sua péssima performance enquanto ano.

O papa resolveu adiantar uns diazinhos porque o ano tava desregulado com o sol -embora haja quem diga que ele só queria que chegasse logo o seu "niver". (Imagina que delícia ser papa naquela época e poder andar com o calendário pra cima e pra baixo: "Fica decretado que esta semana não terá segunda-feira por motivos de: preguiça", "esse ano pularemos o mês de agosto por motivos de: não tem feriado".) Ninguém curtiu a ansiedade papal. Imagine quão puto ficou Giorgio, coitado, que trabalhava na taberna: tirou dez dias de férias dia 4 mas teve que voltar ao trabalho no dia seguinte.

O papa de hoje já não manda nada (infelizmente: talvez fosse melhor um mundo comandado pelo papa-fofo), mas vamos supor que o papa-Mujica tivesse superpoderes e pudesse encolher o ano: não sei se vocês perceberam mas, quando eu acabar, vai começar o ano de 2017. Não sou de falar mal de outros anos, mas o coitado nem começou e já tá todo errado. "Ah, foi em 2016 que Trump e Crivella ganharam as eleições", vocês dizem. Sim, mas é em 2017 que eles vão começar a governar. Ainda querem que eu acabe? É impressão minha ou eu acabei de ouvir um "não acaba nunca, 2016! Fica! Vai ter bolo!"?

Queria que vocês lembrassem de mim não como o ano em que todo mundo morreu, mas como o ano em que tanta gente boa ainda estava viva; não como o ano da maior tragédia do esporte, mas como o ano da maior solidariedade: vocês já tinham visto um clube abrir mão do título de campeão? Na minha gestão morreu muita gente, é verdade. Mas também nasceu gente pra dedéu. Disso ninguém lembra.

Fácil falar de mim. Quero ver pagar minhas contas. A história me absolverá, disse um dos que morreram sob o meu jugo (só pra lembrar: não fui eu que matei; foi o charuto). Fica a dica: aproveitem esse finalzinho. Vocês vão sentir saudade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário