Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

domingo, 6 de novembro de 2016

não deixem o rádio morrer, não deixem o rádio acabar: O rádio do Brasil esqueceu o rádio de autor, esqueceu o rádio como propagador de cultura, como formador.

“São Paulo só tem uma rádio dedicada à música brasileira? Que escândalo é esse?”
Jornalista de programas como o Vozes do Brasil e a Hora do Rush cria uma rádio online com programação que vai de músicas brasileiras a contação de histórias

Talita Bedinelli




Depois de mais de 30 anos trabalhando em rádios tradicionais, a jornalista Patricia Palumbo decidiu que era hora de ter o seu próprio canal. Criou, então, a Rádio Vozes, um site e aplicativo de internet, onde o ouvinte pode transitar por programas de música brasileira, música negra, moda e contação de histórias para crianças. Após cinco meses no ar, o dispositivo já foi acessado 1,3 milhão de vezes, o que demonstra, na opinião dela, que o rádio de qualidade ainda tem espaço no país. “O rádio tem que usar a internet para se ressignificar”, acredita.

Palumbo apresentou sua rádio, no ar há cinco meses, no festival Se Rasgum, em Belém, e conversou com o EL PAÍS sobre o projeto e sobre a qualidade das emissoras atuais. 


Pergunta. Estamos em um festival no Pará em que há bandas muito boas locais, que são muito pouco conhecidas do público do resto do país. Porque essas músicas chegam pouco nas rádios brasileiras?

Resposta. Pois é. É uma pena. É tanta coisa boa acontecendo, o Brasil é tão rico, tão colorido. E a gente perdeu isso de vista por conta dessa massificação do Brasil urbano, carioca ou paulista estereotipado. Eu tenho a impressão de que aqui [no Pará] a gente está mais conectado com esse Brasil mais profundo e é uma pena que a gente repita padrões que talvez não sejam os melhores. Acho que as rádios não se interessam porque há um vício nos meios de comunicação de se repetir o que está dando certo.

P. Por quê?

R. Vou fazer uma analogia com a história das gravadoras. A gravadora precisa de uma artista mulher, com timbre mais baixo, voz mais grossa. Então, pronto, temos aqui esse produto. E outra gravadora vai tentar arrumar um produto parecido com aquele. Aí aquela primeira artista vai tentar no próximo disco repetir aquele produto que deu certo com a gravadora daquela primeira vez e vendeu 100.000 discos. Em um momento em que a gente não está mais vendo isso, pelas falências das gravadoras, as pessoas têm que ser reinventar. Acho que na comunicação acontece a mesma coisa. As rádios se repetem. As emissoras se copiam. Temos várias emissoras que tocam o mesmo playlist, que são iguais quando não são de notícias ou de religião. O rádio do Brasil esqueceu o rádio de autor, esqueceu o rádio como propagador de cultura, como formador. A primeira vez que Caetano Veloso ouviu o João Gilberto foi uma rádio de praça, a primeira vez que João Gilberto ouviu Orlando Silva também. Era assim. O rádio refletia a nossa realidade cultural. Mas nos anos 80 começou aquela babaquice de MPB de um lado, rock do outro. Agora, com essa quebra de unanimidade dos veículos, talvez haja uma revolução nos meios de comunicação.

P. E aí entram iniciativas como a Rádio Vozes? Como surgiu a ideia?

R. Sim. Quando você fala dessa nova geração que produz disco em casa e distribui sozinho isso é muito inspirador pra mim. Se eles fazem isso pra fazer o disco, porque eu não posso fazer isso pra fazer uma rádio? Aí eu fui buscar as possibilidades. A Rádio Vozes é uma plataforma geradora de conteúdo em que você pode buscar música negra do Brasil e do mundo com o programa Flower Power, o próprio Vozes do Brasil, o Maritaca e o Pequeno Cidadão, que são conteúdo pra criança com contação de histórias. Está lá, ao vivo, 24 horas. Se você quer ter a experiência de rádio, uma boa rádio para ouvir, com diversidade musical, boletins, hora certa, tudo isso está ali. Mas, ao mesmo tempo, também está offline. E você pode escolher entre 30 programas o que melhor te apetece, o que você gosta mais. No fim das contas, eu estou realizando o sonho de ter a minha própria rádio, mas ao mesmo tempo estou tentando colocar de uma maneira bastante contemporânea esse conteúdo à disposição.

P. Porque em tempos de Spotify, em que as pessoas escolhem o que querem ouvir, ainda é importante existir uma rádio?

R. O nosso repertório pessoal é limitado, o meu inclusive. Tanto que eu tenho vários colaboradores aqui, trazendo o repertório pra dentro desta rádio. Mesmo no meu Spotify eu adoro o Descobertas da Semana porque tem coisas ali que realmente eu não tinha pensado em ouvir e buscar. E, numa rádio, a gente tem essas surpresas. Tenho amigos que me ligam e me falam: "Nossa, que delícia, eu estou ouvindo rádio de novo, fazia muito tempo que isso não acontecia. Muita gente perdeu gosto.

P. Como surgiram a ideia dos programas?

R. Rádio é um assunto que me ocupa há mais de 30 anos. Quando eu comecei a pensar na grade eu comecei a pensar em tudo o que eu já fiz e em tudo o que eu gostaria de ter feito nas rádios por onde eu passei e não consegui fazer. Comecei a buscar os meus velhos companheiros de rádio e a pensar em pessoas que não eram do rádio, mas que poderiam trazer seus repertórios pra dentro do projeto. Foi assim com Paulo Miklos. Falei: 'Paulo, o que você faria na rádio?' Ele falou: 'puxa, não sei. Eu nunca fiz. Vivo aqui nesse meu mundo estranho'. Falei:  'é isso! O Estranho Mundo de Paulo Miklos! Você fala do que você quer falar, faz a sua programação e pronto: estamos no ar!'.

P. Como tem sido a receptividade?

R. O aplicativo está disponível para iOS e Android. A gente tem o player no site oficial, que é o rádiovozes.com. Nos primeiros três meses a gente já tinha 1,3 milhão acessos no total desses players. E de downloads de aplicativos a gente já chegou nos 10.000, o que que é um bom número para uma rádio que está no ar há 5 meses.

P. Isso mostra que o rádio tem como sobreviver?

R. Eu acho que sim. O rádio não vai morrer. Toda vez tem essa onda: chegou a televisão: o rádio vai morrer! Chegou a internet: o rádio vai morrer! O rádio, como todo veículo de comunicação, tem que ser transformar, tem que acompanhar a contemporaneidade. Esse é o segredo da juventude: você se mantém novo se o seu tempo é hoje, como disse Paulinho da Viola. O rádio tem que usar a internet como uma ferramenta de potencial imenso para se ressignificar. Ele já foi tão importante e agora está na mão de grupos religiosos, da repetição. Como em um país com essa diversidade musical a gente tem em uma cidade como São Paulo só uma rádio dedicada à música brasileira? Que escândalo é esse? Quando eu comecei a trabalhar com o Vozes do Brasil eu ouvi de diretor de rádio que os nossos ouvintes fingem gostar de música brasileira. Porque na verdade eles não gostam, eles gostam de outra coisa. E, veja, o Vozes do Brasil está no ar há 18 anos em sete emissoras provando que o ouvinte gosta, sim, de música brasileira. Na verdade, dessa música que se repete nas rádios mais quadradas eu também não gosto muito. Essa música realmente não me interessa. E talvez não interesse a tanta gente assim, mas se a oferta é essa o público se acostuma. Agora, se a gente oferta coisa melhor, o público se acostuma da mesma maneira.

P. Que nomes hoje pouco conhecidos que você acha que as pessoas deveriam ouvir?

R. Eu tenho um enorme problema com essa coisa de lista, mas vamos tentar. Seria bom prestar atenção na Ana Lomelino, cujo nome artístico é Mãeana, que fez o primeiro disco agora, falando de coisas como disco voador e é maravilhoso. Arthur Nogueira, que é daqui do Pará, que é um rapaz que eu conheci na internet e é muito ligado na poesia. Zé Manoel, que é de Petrolina [Pernambuco], e toca um piano maravilhoso de melodias incríveis. Uma menina maravilhosa chamada Sofia Freire, também de Pernambuco, que faz um trabalho muito interessante que me lembra o Lirinha, porque tem essa coisa do verso próximo do repente, e é bem Nordestino e, ao mesmo tempo, bem contemporâneo. E Ian Ramil, do Rio Grande do Sul, que vem do rock, mas tem uma coisa lírica muito interessante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário