Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

A esquerda, entretanto, não pode se dar ao luxo de ser burra. É hora de a esquerda começar a aprender a viver sem a perspectiva de Lula ser eleito presidente da República.

É hora de a esquerda aprender a viver sem a perspectiva de Lula presidente - 

Celso Rocha de Barros 



É sempre arriscado escrever que a carreira política de Luiz Inácio Lula da Silva acabou. Sempre há o risco de se juntar à coleção de capas de revistas semanais com a foto de Lula e manchetes como "Acabou", "É o Fim" etc., cuja publicação periódica virou um ritual divertido de nossa vida pública nos últimos 20 anos.

Mas a sentença de Sergio Moro deve mesmo interromper a carreira política do político brasileiro mais importante desde Getúlio Vargas. Desde que foi ao segundo turno contra Fernando Collor em 1989, Lula foi o candidato a ser batido.
Seu governo foi muito bom, como o de FHC também havia sido. Aliás, espero que o fim de suas perspectivas eleitorais interrompa o surto de revisionismo histórico que, contra todos os números, tentava negar seus sucessos.

O tipo de compromisso que Lula instaurou para governar não era mais tão fácil quando sua sucessora assumiu a Presidência, e ela não foi capaz de forjar um outro. O fracasso espetacular da Nova Matriz Econômica teria encerrado qualquer outra carreira política. Mas os bonitões do impeachment deram a Lula um rival com 5% de popularidade, acusações de corrupção muito piores contra si, e grandes chances de arrastar todo o antilulismo consigo enquanto cai. Se a carreira de Lula for mesmo interrompida, ele se despede liderando as pesquisas presidenciais.

Desde já parece claro que a direita brasileira não pretende aprender absolutamente nada com suas derrotas para o Lulismo. Quem nasceu no último ano em que o PT perdeu uma eleição presidencial prestou serviço militar ano passado. Mas o pessoal vai continuar dizendo que foi por causa do João Santana, ou das mentiras do PT, ou porque o Foro de São Paulo e a Orcrim, ou o George Soros, enfim.

A esquerda, entretanto, não pode se dar ao luxo de ser burra. É hora de a esquerda começar a aprender a viver sem a perspectiva de Lula ser eleito presidente da República.

Em um artigo (muito interessante) publicado na revista marxista americana "Jacobin" semana passada, Benjamin Fogel e Alex Hochuli sugeriram que a perda de Lula para a esquerda é como a perda de Neymar para a seleção brasileira às vésperas do jogo contra a Alemanha, e todos sabemos como aquilo acabou.

Há mesmo um quê de "Carta da Dona Lúcia" no programa atual do PT, mas a comparação falha em um ponto crucial: a direita brasileira está longe de ser a Alemanha de 2014.
A Lava Jato mal começou a pegar os antipetistas. Nos próximos anos, os líderes da direita brasileira ou vão ser presos ou terão que arcar com o custo de terem parado a Lava Jato. A condenação de Lula, inclusive, pressiona o judiciário a também enfiar os líderes de PSDB, PMDB e DEM na cana dura.

Além disso, as reformas de Temer podem gerar demanda por candidatos que prometam moderá-las ou amortecê-las com políticas compensatórias. A política brasileira não será para sempre só discurso para empresários, como foi desde 2015.

Não se trata de subestimar o peso da saída de cena de Lula, ou o poder que os conservadores ainda têm na sociedade brasileira. Trata-se, sim, de reconhecer que eles ainda nem começaram a se conscientizar de que a democracia brasileira será sobre combate à desigualdade, ou não será nada. Enquanto for assim, as perspectivas da esquerda no Brasil continuarão muito boas. Resta saber quem vai pegar a bandeira no chão. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário