Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

o que espanta miséria é festa: Depois do terceiro traçado, na hora do sufoco, sonrisal vira champanhe e tá tudo certo.

    
Luiz Antonio Simas

Me perguntam por aqui se acho festejar réveillon no meio de um momento difícil. Eu não acho nada. Não vou cagar regra; apenas festejar o Ano Bom como sempre faço (e gosto). Meus avós tiveram a sabedoria de me ensinar o seguinte: a gente não faz festa porque a vida é fácil. A gente faz festa exatamente pela razão contrária.

Resultado de imagem para um traçado no bar

A cultura do samba veio desse aparente paradoxo. Não se samba porque a vida é mole. Se samba porque a vida é dura. O sentido das celebrações, ao menos para mim, é esse. Festa e fresta são quase a mesma coisa e não concebo uma sem a outra. Noves fora, não tenho mais idade para ser fiscal da celebração alheia e nem dou trela para quem se arrogue de fiscal da minha. No mais, o que espanta miséria é festa, como dizia Beto Sem Braço. Depois do terceiro traçado, na hora do sufoco, sonrisal vira champanhe e tá tudo certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário