Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.

Playlist Almanaqueiras

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

ao menos no Natal, espera-se que haja uma reunião de família.

Para aguentar o Natal, é preciso achar graça na patologia bizarra da família 

Contardo Calligaris

Resultado de imagem para briga na festa de natal


As reuniões de família não acontecem só no Natal. Há outras festas religiosas e há casamentos, enterros, aniversários etc. Mas um ditado italiano sugere: "Natale con i tuoi, Pasqua con chi vuoi" –Natal com os teus, e Páscoa com quem você quiser. Ou seja, ao menos no Natal, espera-se que haja uma reunião de família.

No próximo fim de semana, dias 24 e 25, muitos passarão por uma reunião familiar, provavelmente grande e festiva. Para alguns, serão duas –por exemplo, sábado à noite com os pais e domingo ao meio dia com os sogros.

Os órfãos e sem filhos, divorciados ou celibatários, receberão convites piedosos para eles se agregarem à festa da família de amigos e conhecidos. Para ser convidado, não é preciso ser cristão: acreditar um pouco no Papai Noel basta.

Alguns podem encarar essa perspectiva de jantares e almoços com alegria. Mas, desde o começo da semana, vejo e ouço sobretudo pessoas que tentam se precaver contra o desastre que eles anteveem.

Se houver crianças, o evento será resgatado pela alegria delas na hora da distribuição dos presentes. Sem isso, mesmo nas famílias em que todos declaram se gostar, a reunião é um momento delicado, que quase sempre revela a complexidade dos laços familiares: as rivalidades, as frustrações de não ser amado como a gente queria, a estranheza que nos causa a proximidade de parentes que não têm nada a ver conosco".

Ficar é extenuante. Não ir ou ir embora cedo parece imperdoável. Meu conselho é participar com dedicação, pois a regra geral diz: só quem enxerga e encara a patologia bizarra da família consegue aguentar sem desespero uma festa dessas.

Ainda dá tempo: antes do Natal, tente assistir a "Sieranevada", do romeno Cristi Puiu. A reunião de família de "Sieranevada" é o aniversário de um luto, mas o filme vale para qualquer festa familiar.

Nota: os cinéfilos apreciarão uma câmera que está completamente ao serviço da vontade de nos fazer sentir a clausura do apê e da família. Em 2015, em "O Filho de Saul", o húngaro László Nemes filmou, também de uma maneira inesquecível, a clausura dos campos de concentração. Não deve ser uma coincidência que dois filmes geniais na maneira de mostrar a opressão apareçam ambos do outro lado da antiga cortina de ferro.

Enfim, depois de assistir a "Sieranevada", no estacionamento, escutei a conversa de duas moças. Uma dizia que a história do filme poderia ser contada em 30 minutos. A outra dizia que, de fato, ela tinha gostado do filme porque, confessava, tinha reconhecido situações da sua própria família.

De fato, os que acham que família é só alegria não gostarão de "Sieranevada". Mas o filme é imperdível para quem enxerga nele a verdade de qualquer família, a começar pela sua própria.

Para os que souberem se ver na tela, o filme será a preparação perfeita para a ceia ou o almoço natalinos. Reconhecendo-se na trivialidade dos afetos e das conversas, eles conseguirão rir do drama farsesco que é a família –e aguentarão bem o suplício festivo.

Você já sabe que, neste Natal, haverá aquele tio que frequentou as manifestações do "fora, Temer", e ele discutirá com outro tio que, na hora do panelaço, gritava "fora, Dilma". Também comparecerá um primo que pede a volta dos militares.

Estará lá um sobrinho que acredita em tudo o que ele lê na internet e jura que existe um grande complô, do 11 de setembro a Fukushima –tudo obra de poderes ocultos. A conversa deslizará para o francamente pornográfico quando uma tia acusará um tio de traí-la com a vizinha. No fim, chegará uma sobrinha levando uma amiga trêbada e desmaiada.

O discurso da reunião familiar é sem objeto nem referência; ele tem só duas (grandes) funções: 1) expressar as emoções que repetimos desde a infância (ou seja, expressar nossa neurose infantil) e 2) lutar para manter o outro na escuta: hello, você está me ouvindo?

A reunião de família pode ser cômica? Sim, e seria bom que achássemos risível o ruído cotidiano de nossos afetos familiares. "Sieranevada", aliás, é uma comédia que pode nos ensinar a descobrir a comédia da nossa vida. Tem mais: se você aguentar "Sieranevada", está garantido que você aguentará seu almoço ou seu jantar de Natal.

Agora, depois do almoço ou jantar, encontre-se com amigos – diferentes dos parentes, eles são a companhia que você escolhe. Feliz Natal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário