Alamanaqueiras: ou não queiras.

Alamanaqueiras: ou não queiras.
Artrópodes articulando.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

"Você será repórter da geral", ele decretou. "Fique atento ao buraco de rua, ao cachorro atropelado e ao nascimento da girafa no zoológico".

O filhote da girafa

Ruy Castro

Resultado de imagem para filhote de girafa

Não há mais direito à privacidade. À média de 5 milhões de visitas por dia, o mundo levou os últimos meses acompanhando online e em tempo real a gestação da girafa April, numa reserva animal em Harpursville, vilarejo de 3.500 habitantes a três horas de Nova York. April custou a se resolver. Finalmente, no dia 15 último, expeliu seu bebê que, dos cascos ao cocuruto, nasceu medindo 1,80 m. Nunca uma girafa veio ao mundo sob tanta expectativa.

April é agora uma estrela, com propostas para fazer aparições pessoais num circuito de zoos pelos EUA. Enquanto isto, o planeta se prepara para um novo desafio: escolher o nome do filhote (o qual, aliás, ainda não teve seu sexo, digo, gênero, definido) —esperam-se outros milhões de sugestões pela internet. A minúscula Harpursville, por sua vez, fará a festa com os turistas.

Este é o mais novo caso de exploração da girafa pelo homem. O filhote de April viverá sob estreito escrutínio público e será mimado pelos cuidadores, com o que não aprenderá a esticar o pescoço para comer os frutos mais altos das árvores ou lamber o interior das orelhas com sua língua de 40 cm. E tudo isto porque o nascimento de uma girafa fora de seu habitat africano ainda é uma sensação.

Foi o que ouvi de Newton Rodrigues, redator-chefe do "Correio da Manhã", em meu primeiro dia de jornal, em maio de 1967. "Você será repórter da geral", ele decretou. "Fique atento ao buraco de rua, ao cachorro atropelado e ao nascimento da girafa no zoológico". Gelei. Eu esperava ir para a área de cinema, teatro, literatura, música popular.

Passaram-se semanas e não abriu um só buraco importante, nenhum cachorro foi atropelado e não nasceu um filhote de girafa no zoo do Rio. Sendo assim, o que fazer? Lá fui eu para a área de cinema, teatro, literatura e música popular. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário